Recentemente li The Python Paradox, de Paul Graham, e sua tradução O Paradoxo Python no #!SouNerd.

O texto faz todo sentido: quem aprende a fazer qualquer coisa por gosto tende a fazer melhor do que quem aprende a fazer por dinheiro. É uma verdade.

Assim, quem aprende a programar porque gosta de programar tende a programar melhor do que quem aprende para ganhar dinheiro e a grande maioria de quem aprende a programar Java só o faz por dinheiro (claro que há lá suas exceções), enquanto quem aprende linguagens mais esóticas o faz por prazer.

Então por que as empresas teimam em contratar programadores mercenários?

Pensando sobre nisso e observando a comunidade, pensei em uma resposta…

Eu vejo três tipos de programadores, como três vértices de um triângulo cromático, e cada um está em uma região dessa área, mais próximo ou distante de cada vértice.

Esses três tipos são: amador, mercenário e empolgado (por falta de palavra melhor).

Mercenário

O mercenário é aquele que quer dinheiro e lucro é tudo o que o impulsiona. Geralmente não tem escrúpulos e faz tudo o que lhe mandam. Seu mantra é: «Pagando bem, que mal tem?»

Quem é 100% mercenário geralmente acaba largando a profissão por algo que dê mais dinheiro, mas basta estar um pentelésimo mais para o centro do triângulo que permanece na profissão.

Normalmente aprende uma linguagem que dê muitas opções de emprego – e que, por consequência, tenha de competir com muita gente –, como Java, C# ou PHP, e rejeita todas as demais. Quando as trata como inferiores, é apenas para tentar justificar a própria incompetência, resultante da falta de gosto pelo que faz.

Amador

O amador é aquele que gosta de verdade do que está fazendo, ele ama programar, daí amador.

Quem é 100% amador quase sempre se perde aprendendo coisas inúteis e não consegue ganhar dinheiro porque muitas vezes perde o foco do que precisa fazer, distraindo-se com besteiras.

Normalmente aprende linguagens bem diferentes, que poucos sabem, como Lisp, Smalltalk ou Fortran – talvez LOLCODE –, e não é incomum que aprenda uma penca de linguagens, nesse caso, também os hypes, como Python e Ruby.

Empolgado

O empolgado é aquele que vai atrás de algum hype, linguagem da moda. Há uns anos eram de Java, mas os empolgados da atualidade querem Python e/ou Ruby.

Quem é 100% empolgado sabe tudo que acontece na comunidade, mas quase nada de programação. Conhece todas as metodologias em alta, sabe todos os macetes e design patterns de sua linguagem que precisa para impressionar os iniciantes, mas não é lá muito eficiente. É tão preocupado com a auto-imagem e o que acontece na comunidade que se esquece que há todo um background a ser aprendido por trás da Computação.

**

Felizmente (quase) ninguém é 100% alguma coisa.

Depois de toda esta dissertação, por que diabos as empresas mais engessadas preferem os mercenários?

Por causa de seu mantra! Basta pagar o que o mercenário acha muito – o que muitas vezes é quase nada pra empresa – e ele faz qualquer coisa que mandarem, torna-se um cão bem adestrado. Essas empresas não querem eficiência, querem obediência.

O que as empresas não veem é que esses cães não são tão ágeis quanto os gatos que pulam pelos telhados: aqueles que, apesar de em nenhum extremo, se encontram mais próximos do vértice do amador.

Na verdade as metodologias ágeis não são práticas de trabalho, mas técnias sociais para atrair programadores que, apesar de ainda um pouco mercenários, sejam muito mais amadores – ser um pouco empolgado também ajuda, já que as linguagens hype facilitam pela grande mobilidade da comunidade. As empresas mais espertas e as start-up viram isso e usam as metodologias ágeis para criar equipes enxutas e mais eficientes do que qualquer equipe de mercenários jamais conseguirá ser.

Fonte